7.8.09

CARIDADE NÃO É JUSTIÇA

Na parábola do Bom Samaritano, os ladrões agiram violentamente contra a sua vitima; o sacerdote e o levita tinham uma mentalidade passiva e agiram ao largo da vítima, para permanecerem neutros (fortalecendo ainda mais a injustiça); o Bom Samaritano usou o que tinha disponível: cavalgadura, azeite, vinho, roupas, dinheiro, força física e compaixão (Lc 10: 25-37). Se fosse em nossos dias ele ainda iria á policia reclamar por falta de segurança na estrada de Jericó. A igreja age politicamente quando nada faz: está concordando com o status quo. Já se disse que o triunfo do mal está em que as pessoas boas nada fazem. Os vilões nas parábolas de Jesus geralmente eram homens que deixavam de fazer as coisas que deviam ter feito. O homem rico deixou Lázaro jazendo ás portas de sua casa sem lhe oferecer ajuda; o servo não fez o uso de seu talento. Por isso, receberam uma duríssima condenação.O contrário do amor não é bem o ódio, mas a indiferença. As igrejas por serem portadoras de tradições com sentidos e valores fundamentais, deveriam ser o lugar para intermediar o direito a ajuda aos injustiçados, aos desvalidos, aos desfavorecidos, e não um ponto de caridade assistencialista.Pois caridade não é justiça. Um ato de caridade é uma resposta espontânea, temporária e singela a um acidente ou tragédia. As condições de injustiça não são acidentes, pois não são “atos de Deus”, mas de homens. O atendimento ás vítimas da injustiça exige que as causas fundamentais da injustiça sejam localizadas e removidas. A caridade não pode substituir a luta por soluções fundamentais. Dar ao doente com pneumonia uma caixa de gaze pode ajudar alguma coisa, mas não ajuda na recuperação do enfermo, que depende de outros fatores. Nesse sentindo, tem razão quem diz que as organizações de ajuda estão apoiando um sistema de injustiça, se não questionam por que o povo passa necessidades. Jesus superou os patriotismos egoístas e universalizou a idéia do próximo. A injustiça praticada contra alguém, onde quer que seja me diz respeito. No grande julgamento (Mt. 25:31-46), ouviremos que servir aos outros em suas necessidades é servir ao próprio Senhor. Ignorar os pobres é afastar-se do Senhor. Ser perseguido por causa da justiça é ser perseguido por causa de Jesus. (Mt.5:6-11).

Nenhum comentário:

Postar um comentário