5.9.09

INDEPENDÊNCIA OU MORTE !

Esta frase dita nos moldes do ambiente e circunstancias em que foi proclamada gerava muitas esperanças. Aliás, a história mostra que o Brasil é um país que sempre viveu de falsas esperanças. Talvez a primeira grande esperança do povo brasileiro foi à própria Proclamação da República. Naquela época a já então pujante América do Norte impressionava e inspirava os brasileiros. Com a nossa república, copiamos tudo o que era possível ser copiado deles, desde as instituições e organizações do Estado como até o próprio nome do país. Ao copiar a forma, porém, esquecemo-nos do conteúdo. Ao observarmos as realidades do Brasil e da América do Norte, vemos que enquanto aquela se tornou democrática, rica e próspera, nós só agora estamos engatinhando uma democracia e o povo não tem acendido as riquezas e não tem o direito a prosperidade. Nós sempre vivemos constantemente em crises, econômica e política, e piorada por uma situação social que se agrava a cada dia. É preciso voltar nossa atenção ás razões que nos levaram a termos esse quadro. Enquanto a rica América do Norte foi colonizada pelos filhos da Reforma Protestante, nós da América Latina fomos explorados pelos pais do catolicismo retrógrado europeu na época, Portugal e Espanha. Os primeiros colonos que chegaram à América do Norte trazendo suas famílias e suas bíblias não imaginavam que estavam lançando os trilhos sobre os quais trafegam hoje o maior país democrático e a maior potência econômica mundial. A proposta deles era colonizar e contribuir para a liberdade. Acreditavam muito no trabalho como fonte de riqueza, defendendo assim a liberdade.No Brasil e América Latina a perspectiva era oposta. O objetivo da colonização era para apenas explorar as riquezas naturais, enriquecendo-se facilmente, rapidamente e com o mínimo de trabalho. Não trouxeram suas famílias. Não havia liberdade religiosa e nem podiam ter acesso as Sagradas Escrituras e vivam sob a opressão absolutista. O trabalho era visto como um mal, enquanto que as “espertezas” e o “levar vantagens” formavam a base ideológica. Desse modo, assim foram lançados os trilhos sobre os quais até hoje o Brasil trafega. Nosso subdesenvolvimento reside no fato de se ter esperança naquilo que é absolutamente incapaz de solucionar coisa alguma. Lideres que pensam de maneira subdesenvolvida, especialmente quanto á conceitos relativos á situação e prática de princípios morais, democráticos e econômicos. Quero dizer que pensam errados, sem aprender as lições que a história ensina; significa não enxergar as próprias mazelas, e não dispor dos princípios capazes de elevar o homem á condição que deseja o seu criador de Igualdade e Fraternidade, Justiça e Paz.

Um comentário:

  1. paz querido irmão...obg pela visita...seu blog é uma benção tb...estarei acompanhando. Deus abençoe!

    ResponderExcluir