15.10.09

Nem só de Pão viverá o Homem ? ?



Em certos círculos cristãos, os assuntos de pobreza e fome são ignorados, sob a máscara da espiritualidade. Argumentam que o evangelho trata somente de coisas espirituais, e eles têm prazer em citar a passagem acima (Mt.4.4). É verdade que Jesus salienta a necessidade do alimento espiritual como também do alimento físico, mas jamais disse que o homem viveria somente pelo alimento espiritual. De fato esta declaração tem sentido somente na base da realidade da necessidade do alimento físico. O que Jesus estava dizendo era que o homem jamais poderia viver plenamente sem o alimento espiritual, mas não pode continuar existindo sem o alimento físico. O Senhor Jesus jamais apelou para a existência do mundo espiritual para escapar da presença da necessidade física. Ele nunca falou que é justo não ter pão material enquanto se tem pão espiritual.  Pois Ele é o exemplo clássico da demonstração deste principio bíblico.  Pois estava sempre no meio dos homens necessitados, reconhecia sua calamidade física como real, e atuava constantemente para fazer algo concreto sobre as necessidades humanas. Motivado por Amor Ele curava as enfermidades físicas, alimentava os famintos, e, assim, revelava a natureza amorosa do seu Amado Pai Celestial. Jesus Cristo é a essência do amor. E a beleza de sua vida permanece em julgamento contra a indiferença ao fenômeno da fome e da pobreza. A justificativa dos milhões de famintos em nome da espiritualidade é simplesmente uma fachada.
O nosso problema básico é a indiferença. O nosso problema verdadeiro é a negligência, que a Bíblia chama de pecado. Quando ligamos esta justificativa com a atitude típica das classes ricas e médias em desprezo aos pobres, não somente nos posicionamos fora da tradição bíblica, mas revelamos o mesmo tipo de cegueira espiritual da qual são culpados os bodes do Juízo (Mt. 25:31-46). A Bíblia é clara em expor este tipo de negligência como opressivo, do qual o crente em Jesus, que é motivado pelo amor, não pode tomar parte. Jamais nos esqueçamos do direito do ser humano á alimentação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário