2.11.11

Encontros, Campanhas, Retiros,Cruzadas,Congressos - Preciso de um SPA Gospel

Hoje o mundo conhece a igreja por aquilo que ela diz que é, talvez até porque realmente pensa ser o que diz ser. A verdade é que infelizmente o seu testemunho não avaliza a sua autodefinição.
Não querem ser luz para o mundo, querem brilhar para o mundo como estrelas.
Sendo assim o perdido continua sem rumo, o mundo continua imundo, enquanto os cristãos engordam clamando dia após dia por mais e mais unção, seguros e confortáveis no calor das suas acolhedoras incubadoras entre quatro paredes.
Na bíblia a gordura em algumas passagens faz referência à unção, logo, deve ser por isso que os cristãos andam tão indispostos, estão obesos demais, é tanta unção que nem sequer sabem para que serve.
Que tal um spa no deserto? 
Você obviamente, nestes tempos onde a estética e a beleza são imperativas, já ouviu falar em spa, mas você sabe o seu significado? 
Spa é uma sigla formada das palavras originadas do latim sano per acqua que significa cura pela água.
Você sabia que Moisés conduziu o povo hebreu para um spa quando o libertou da escravidão do faraó? É verdade, eles foram para o deserto, um lugar tranqüilo, ideal para aliviar o stress e relaxar os músculos tão surrados por seus antigos opressores. A história segue e em um dado momento o mar se abre e o povo passa pelas águas deixando para trás os males do Egito. De certa forma a água foi literalmente usada para a cura da escravidão daquele povo, pois os seus opressores foram destruídos por ela.
O Egito ficou para trás, o mundo pecaminoso foi deixado. 
Receio que a igreja também precise passar por estas águas que curam, o spa de Moisés, deixando o mundo e o pecado definitivamente para trás.
A igreja têm buscado a promessa, mas desde que não tenha que passar pelo deserto.
Isto é um grande erro! É no deserto que ocorre a purificação que nos leva à santidade.
É no deserto que conhecemos o nosso próprio coração. 
É no deserto que a igreja definitivamente aprende a depender de Deus. 
É no deserto que Deus deseja revelar-se ao seu povo para que O conheçam assim como Moisés O conhecia.
O cristão moderno deseja se encontrar com Deus desde que não seja no deserto e para isso insiste neste negócio de ficar marcando encontros com Deus como quem separa um horário na sua agenda de compromissos para viver momentos em um ambiente que não faz parte do seu mundo diário. 
Se você já percebeu que um encontro com Ele é tremendo, então passe a tremer diariamente diante dEle, vinte e quatro horas por dia. 
Estar com Ele não é uma injeção de unção de três dias com efeito alucinógeno de uma semana. Primeiro dia pós-encontro: é tremendo, é tremendo. 
Segundo dia: é tremendo. 
Terceiro dia: foi legal. 
Até que se esquece realmente de como foi e espera ansioso pela agenda do próximo encontro, para uma próxima dose. 
Estas estratégias humanas deixam os cristãos dependentes, não de Deus, mas de programas, encontros e campanhas que inventam na expectativa de suprir a falta do crescimento natural, espontâneo e diário na presença de Deus. 
Isso é tão pernicioso que as pessoas passam a ser dependentes de tais movimentos. 
Deixe de realizá-los e você verá dezenas de cadeiras vazias aos domingos.
Devemos desenvolver uma vida diária com Ele, usufruir da Sua doce presença a cada momento.
Isso é vital, isso é intimidade, isso é a igreja!
Um corpo desligado da cabeça não passa de um cadáver mutilado.
Nossa comunhão diária com Deus deve ser tão necessária quanto o ar que respiramos.



12.10.11

Discernindo a Vontade de Deus Para Nossas Vidas Hoje !

Na confusão religiosa de nossos dias, com doutrinas conflitantes por todo os lados, para onde nos voltaremos para determinar o que o Senhor realmente quer de nós ?
Muitos se fecham em si mesmos.
Outros buscam a vontade de Deus consultando seus sentimentos, intuições.
Há ainda alguns que mergulham em "experiências" religiosas.
Outras pessoas e dirigem a "chefes" de organizações religiosas pensando em obter respostas sobre a vontade de Deus para a sua vida. Se esquecem que todo o ensino de homens deve ser testado pela palavra de Deus, uma vez que há muitos lobos vestidos de cordeiros.
Alguns consultam/ procuram videntes com uma pseuda informação sobre a vontade de Deus para sua vida.
Tem muitos que nem se preocupam com a vontade de Deus para sua vida, saem por ai "fazendo a obra", até iniciam bem mas seu fim é trágico, pois confiam em seus próprios planos; e quando agimos e pensamos independentemente, acabamos sempre fracassando.


O único modo de sabermos os pensamentos de Deus sobre a sua vontade para nossa vida é a através de sua revelação, a sua palavra, conforme Paulo nos adverte e orienta em I Cor.2.10-16:


"Entretanto, falamos de sabedoria entre os maduros, mas não da sabedoria desta Era ou dos Poderosos desta era, que estão sendo reduzidos a Nada.
Pelo contrário, falamos da sabedoria de Deus, do  mistério que estava oculto, o qual Deus preordenou, antes dos princípios das Eras, para nossa glória.
 Nenhum dos poderosos e sábios desta Era entendeu, pois se houvesse entendido, não teriam crucificado o Senhor.
Todavia, como está escrito; "Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma concebeu o que Deus preparou para aqueles que o amam",mas Deus o revelou a nós por meio do Espírito Santo.
Este sonda todas as coisas, até mesmo as coisas mais profundas de Deus.
Pois quem dentre os homens conhece as coisas do homem a ser o espírito do homem que está nele?
Da mesma forma, ninguém conhece as coisas de Deus , excepto o Espírito de Deus.
Nós, porém, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito procedente de Deus, para que indentamos as coisas que Deus nos tem para dar e tem dado,gratuitamente.
Delas também falamos, não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com palavras ensinadas pelo Espírito, interpretando verdades espirituais para os que são espirituais.
O homem que não tem o Espírito não aceita as coisas que vem do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entende-las, porque elas são discernidas espiritualmente.
O homem espiritual discerne todas as coisas, mas ele mesmo por  ninguém é discernido; pois quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instrui-lo?
Mas nós, porém temos a Mente de Cristo.



22.9.11

Se João Batista passasse por aqui hoje.....



Imaginem se o profeta João Batista passasse hoje em nosso País, e:
-vendo o noticiário, (a corrupção reinante em nosso País);
-lendo os jornais, (sangue escorrendo, injustiças..);
-assistindo aos pregadores televisivos, (e suas pretições (pregação+pedição).
Que tipo de mensagem ele nos traria????
Acredito que não mudaria o conteúdo do que disse há cerca de 2000 anos. 
Diria explicitamente; “Arrependei-vos, por que está próximo o reino dos céus” (Mt.3.2). 
Alguém pode me questionar, do que precisaríamos nos arrepender, uma vez que sempre temos sustentado uma boa imagem de nós mesmos?
Já não somos 25% de evangélicos no Brasil ?
Não somos, afinal, cidadãos honestos e corretos? 
O que João Batista teria a nos dizer afinal?

Arrependei-vos, todos os que não amam ao próximo.
Arrependei-vos todos os que não têm uma visão correta de si mesmos.
Arrependei-vos todos os que mentem e prejudicam o próximo.
Arrependei-vos todos os que procuram levar vantagem sobre os outros.
Arrependei-vos todos os que falam mal dos outros.
Arrependei-vos todos os que praticam a corrupção.
Arrependei-vos todos os que criam impostos e taxas fomentando a corrupção.
Arrependei-vos todos os que não exercem sua profissão com seriedade e honestidade.
Arrependei-vos todos os que não cuidam de seus filhos.
Arrependei-vos todos os que não cuidam de seus idosos.
Arrependei-vos todos os que os que criam mordomias em meio à fome e desgraças.
Arrependei-vos todos os incompetentes e corruptos que estão em cargos sem qualificação.
Arrependei-vos todos os que se colocam como intermediários da graça de Deus e o homem.
Arrependei-vos todos os que buscam dominar e explorar os incautos através da fé.
Arrependei-vos todos os que se deixam dominar por mãos de adivinhadores e médiuns evangélicos.
Arrependei-vos todos os que os criam novas teologias que afastam o homem de Deus.
Arrependei-vos todos os que distorcem a palavra de Deus para tirar $$$$ do povo.
Arrependei-vos todos os que se dizem seguidores de Cristo, mas sua prática diz o contrário.

Poderíamos ir muito além nesta lista, detalhando o comportamento do homem que se afasta de Deus. 
É provável que João batista iria ganhar muitos inimigos no Brasil, uma vez que sua mensagem revelaria claramente os erros que nos tem levado á condição em que nos encontramos como pessoas e como nação. Sua mensagem exige de todos nós uma profunda reflexão que, se for feita de maneira honesta, provocará profunda mudança na mentalidade dominante em todas as esferas de nosso dia-dia.
João Batista determinou que aquele que se arrependesse deveria produzir frutos dignos de arrependimento (Lucas 3.8). Este tipo de arrependimento deve ser confirmado através de uma nova prática. 
Isso inclui, nós evangélicos, sem dúvida alguma, na inserção na prática social neste país.
Chega de ficarmos “louvando” dentro das quatro paredes, chega de "campanha" para amaciar o ego dos crentes semana após semana. 
Segundo o IBGE o número de "crentes" aumentou, e ai mudou alguma coisa???


1.9.11

Profetas e Sacerdotes, Pinheiros e Eucaliptos, Aposentadoria e Secularização.

A Bíblia diz que “não havendo profecia, o povo se corrompe” (Prov.29.18).

Logo não pode existir profecia se não houver profeta.
Profeta é diferente de sacerdote.
 O sacerdote não precisa de uma chamada, ele não precisa de mensagem, ele não tem visões, ele não ouve a voz de Deus, mas o do povo.
O Profeta  está  interessado e preocupado em obedecer a visão e a voz de Deus.
O sacerdote, a do povo.
Quem sustenta o profeta é Deus, mas quem sustenta o sacerdote é o povo.
A vida do profeta de Deus é normalmente marcada por privações, rejeições e labuta solitária.
A do sacerdote ao contrário, cercado de muito conforto, muitos amigos e  geralmente esta próximo do circulo de liderança.....
É isso que aprendemos quando lemos a história do sacerdote Amazias e do profeta Amós (Am 7.10-15). Amós é incompreendido. Ele é um exemplo de profeta que sofre, porque o ministério que ele deseja realizar, não é o desejado, anelado, consentido e permitido pelos sacerdotes e, até mesmo por muitas das ovelhas, ou pelo mundo que jaz no maligno, e pelo próprio satanás ( Mat.4: 1-11; 16:21-23). Dai o sofrimento e a perseguição, o temor e a confusão, o desamparo e a desesperança de ser profeta. Não foi diferente com Jeremias, João Batista, Paulo e o próprio Senhor Jesus. Mas todos estes obstáculos não tirão o profeta do seu objetivo, seu foco. Já o sacerdote facilmente se desvia das suas  reais funções e o vemos até atrapalhando o ministério do profeta como no caso de  Rei  Saul.
Hoje vemos muitos obreiros comprando, pagando, reformando, construindo, depositando e correndo pra lá e pra cá, fazendo mil e uma coisas, menos “profetizando”. Estes são os sacerdotes. Fazem uma porção de coisas que outros podiam fazer, e não realizam aquilo que só eles deveriam realizar.
Enquanto o numero de sacerdotes se multiplica, o numero de profetas escasseia.
O que está acontecendo?
Existiria ainda um nicho ecológico que torne possível ainda sua existência?
Resta-lhe ainda algum espaço em nosso meio, em nossas estruturas?
Será que alguém lhe concede a palavra ou lhe dá ouvidos?
Merecerá sobreviver?
Tem alguma função, significado, e relevância para nós hoje?
Os profetas fazem lembrar aquelas velhas e seculares árvores em extinção.  Aquelas que ninguém viu plantar, nascer e crescer como os pinheiros. Quando tais árvores são cortadas pelos homens, tudo muda na floresta. É bem verdade que existem sacerdotes para substitui-los á quem eu comparo com eucaliptos, essa raça sem-vergonha que cresce depressa para substituir as velhas árvores, os pinheiros. Para certos gostos (já secularizados) fica até mais bonito; todos enfileirados, em permanente posição de sentido, preparados para o corte, e para o lucro ($$$), preocupação obsessiva de uma igreja e sociedade secularizadas.
Muitas vezes os sacerdotes são apresentados e se apresentam como profetas ( Mat.7:15-23) Se vestem como profetas, mas interiormente são lobos devoradores.
À luz de tudo isso, o cuidado com os sacerdotes nunca é demais.
Da mesma forma que se pode dizer que eucaliptos e pinheiros são tudo árvore, tudo madeira, no final não dá tudo no mesmo?
Não, não dá tudo no mesmo. Há árvores que podem ser substituídas com rapidez e sem problemas, há outras que não. Os profetas não são entidades descartáveis como canetas, copinhos, etc.. De profeta para sacerdotes realizamos um salto de pessoa para função.
No mundo secularizado de hoje a pessoa é definida pela sua função. Sua identidade cedeu lugar a sua função. O que uma pessoa faz é mais importante do que ela é. E vou mais além. É sua produção que determina a seu valor. Ansiosos por sermos reconhecidos, e valorizados, começamos a querer fazer, produzir, esquecidos de que o ministério-pastoral-profético não se mede nos mesmo padrão desta sociedade secularizada onde o utilitarismo, a produção e a quantidade é que são importantes.
Penso que seria possível compreender a diferença entre Profeta e Sacerdote, não como uma luta entre as duas classes de pessoas, uma heroica e outra vulgar. Mas, antes uma solução que nos racha no meio, por que somos todos profetas e sacerdotes, pastores e lobos.  É por isso que muitas vezes temos sonhos e visões, a despeito de existirmos como sacerdotes. É verdade que eucaliptos não se transformarão em pinheiros, a menos que haja em cada eucalipto um pinheiro adormecido.
É preciso que acordemos o profeta adormecido dentro de cada sacerdote. E isso só será possível quando houver Amor (ICor.13). É a falta de Amor que nos leva a viver como sacerdotes ansiosos por nossa aposentadoria. Avidamente contando os anos que nos faltam para deixarmos tudo. Só o Amor a Deus e a seu Povo é que permitirá ficarmos grávidos como profeta. O profeta não pensa em aposentadoria depois de 25,30 ou 35 anos de ministério.
Por que, quem se aposenta de um grande Amor?






12.8.11

Nossa Crise Poilitica é Ética ou Moral ?


Independente qual seja o caráter desta crise, ( escândalo atrás de escândalo), o que nós todos já sabemos é, que ela ( a corrupção) tem raízes bem profundas no seio da nação brasileira e no bolso de todo trabalhador honesto deste País.
Tudo começou quando acreditaram que o Estado e os Políticos deveriam funcionar como instrumentos de produzir Justiça Social neste País.
Esta postura permitiu ainda mais o desenvolvimento do paternalismo estatal e do clientelismo elaborados pelos políticos.
Hoje fica muito claro como muitos políticos, utilizando-se dos próprios recursos do Estado, mantêm-se em seus cargos vitaliciamente, juntamente com sua parentela, cabos eleitorais, amigos e outros que se beneficiam de maneira questionável.
O pior de tudo que atualmente estabeleceu-se a crença de que o Estado deve resolver os problemas de todos. Frases como “Transporte, direito do povo, dever do Estado”, Saúde, direito do povo, dever do Estado” e “Habitação, direito do povo, dever do Estado”, já estão arraigadas em nossas mentes que de tanto serem repetidas, a maioria já passa a acreditar nessas idéias como verdades absolutas e imutáveis.
As pessoas não se atêm ao fato elementar de que o Estado não cria riquezas; ele simplesmente retira riquezas da sociedade produtiva e administra-as para o possível beneficio publico.
E aqui está o gargalo desta crise histórica sem fim.
Os protagonistas que não são poucos se auto-intitulam promotores da justiça social dos Estados que representam, ou melhor, dizendo das Capitanias Hereditárias que exploram.
Este é o caso típico em que o Estado e os que nele se locupletam (os políticos e sua horda) atravancam o progresso e promovem esta estagnação que como diz o hino nos deixa eternamente deitados no berço esplêndido do subdesenvolvimento.
Legislando em causa própria, saqueado os bens públicos, explorando as riquezas produzidas pelos trabalhadores,.......... pobre Brasil.
Mas a mãe destes males realmente se chama Impunidade que é irmã da Vergonha na Cara que há muito não se vê por aqui.
Lembro-me fortemente de dois textos:
um no Antigo Testamento Malaquias 3:18 “se verá a diferença entre quem teme a Deus e quem Não teme;
e outro no Novo Testamento em Apocalipse 22:11 “Quem é injusto continue praticando a injustiça”...ou quem é sujo continue fazendo sujeira....
A velha Bíblia, a milenar Palavra de Deus continua Viva e atualíssima nada de novo debaixo do Sol.
Eles estão em crise mas nós estamos em Cristo !!

1.8.11

As Duas Portas

Existe agora entre nós, um cristianismo, supostamente evangélico e fundamental, dedicado a tronar-se bastante agradável e popular, mesmo para os frequentadores de igreja indiferentes e com corações endurecidos.
Fiel a sua missão, esse cristianismo desenvolveu uma serie de doutrinas que são consistentes apenas em seu efeito comum de remover os incômodos e as exigências do verdadeiro cristianismo.
Essas novas doutrinas são muito populares e amplamente aceitas.
E por que não seriam ? 
Elas favorecem a aversão natural de que o homem demonstra para com o negar a si mesmo e, em especial, satisfazem o moderno culto do prazer e do egocentrismo.
Somente essas tendencias arraigadas podem explicar a ilusão de que esse tipo de cristianismo é autentico.
O próprio Senhor Jesus nos advertiu sobre isso, ao mostrar que o verdadeiro cristianismo seria difícil e impopular ("estreita é a porta, e apertado é o caminho que conduz para vida eterna, e são poucos os que entram por ela" - Mt 7.14).
Enquanto sua imitação seria fácil, popular e condenatória ("larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela" - Mt 7.13).
Seu cristianismo é genuíno ?
Ou é, fácil, popular e condenatório?






14.7.11

O Orgulho Espiritual, o Coração e a Cebola

A primeira e pior causa do erro que prevalece em nossos dias é o orgulho espiritual.
Ele é a porta principal através da qual o diabo influi no coração daqueles que são zelosos pelo avanço do reino de Cristo. O orgulho espiritual é a maior porta de acesso da fumaça que vem do inferno para obscurecer a mente e perverter a capacidade de julgar, bem como é o principal instrumento com o qual satanás assalta os crentes, a fim de obstruir a obra de Deus. Até que essa enfermidade seja curada, os remédios para curar todas as outras enfermidades são aplicados em vão neste paciente.
 A própria natureza do orgulho consiste em desenvolver autoconfiança e rejeitar qualquer suspeita de que em si mesmo, o coração é mau. 
Não existe outro assunto em que o coração humano se mostra mais enganoso e impenetrável, como no orgulho espiritual.
O orgulho espiritual assume muitas formas e moldes, envolvendo todo o coração, como as cascas da cebola – quando você remove uma casca de cebola, existe outra por baixo.
Por tanto, precisamos ter a mais intensa vigilância possível sobre nosso coração, no que se refere a este assunto, e, com profundo ardor, clamar por ajuda ao grande Perscrutador dos corações. Aquele que confia em seu próprio coração é tolo.
O orgulho espiritual é mais bem identificado por seus frutos e efeitos:
1) A pessoa espiritualmente orgulhosa se considera cheia de entendimento e sente que não precisa aprender nada de ninguém.
&   2) Pessoas orgulhosas espiritualmente tendem a falar sobre os pecados dos outros, ou seja, sobre a miserável ilusão dos hipócritas, sobre a indiferença de alguns crentes que sentem amargura ou sobre a oposição que muitos demonstram para com a pura santidade.
&   3) A pessoa orgulhosa espiritualmente encontra nos outros crentes o erro  da sua de falta de crescimento na sua vida cristã.
&   4) A pessoa orgulhosa espiritualmente fala sobre quase tudo que percebe nos outros, fazendo com grosseria e com linguagem bastante severa. Em geral a critica de tais pessoas se dirige aqueles que são seus superiores.
&   5) O orgulho espiritual com frequência dispõe a pessoa a agir de maneira diferente em sua aparência exterior e a assumir uma linguagem, semblante e comportamento diferentes de seu habitual.
O  6) Outro padrão das pessoas espiritualmente orgulhosas é comportarem-se de maneira que levem os outros a fazerem delas seu alvo. É natural para uma pessoa que esta sob influencia do orgulho aceitar toda a reverencia que lhe tributam. Se os outros mostram disposição para submeterem-se a ela e sujeitarem-se em deferência a ela, essa pessoa orgulhosa esta aberta à sujeição, aceitando-a espontaneamente.
    Na verdade, aqueles que são espiritualmente orgulhosos esperam esse tipo de tratamento, formando uma opinião pervertida sobre aqueles que não lhe oferecem aquilo que eles sentem que merecem.

(Adaptado de Alguns Pensamentos sobre o Atual Avivamento do Cristianismo na Nova Inglaterra, extraído do livro As obras de Jonathan Edwards – Teólogo do Século XVIII).

10.6.11

Passeata gay e a Bíblia

Durante as manifestações que se fez em nosso País pela homologação da união civil de homossexuais ou passeata gay, como queiram chamar, houve uma apresentação de alegorias, faixas e cartazes na defesa desse estilo de vida, e, entre os defensores de tal conduta, alguém apresentou um cartaz portando uma Bíblia aberta, invocando o texto "amai-vos uns aos outros".
Jamais o grande mandamento do Amor foi citado em contexto tão distorcido como este.
Jamais também a Bíblia foi exibida com finalidade tão profana e infeliz como naquele momento.
A presença do grande livro em exibição pública como simbolo da defesa da união homossexual envolve um tipo de contradição como entre trevas e luz, o bem e o mal, a vida e a morte.
Pois logo no inicio, a Bíblia estabelece como principio irreversível a união entre homem e a mulher como base da família e da sociedade.
Conforme o registro de Gênesis 19, ao surgir pela primeira vez a pratica do homossexualismo, os habitantes da região foram totalmente destruídos por ordem divina.
Tal prática continuou sendo repelida na legislação de Moisés.
Era passível de condenação á morte o homem que tivesse relação com outro homem como se fosse mulher. Chegando no Novo Testamento, tal aberração continua a ser condenada.
 O Apóstolo Paulo, em sua epístola aos Romanos capitulo 1, a qualifica de:
 "concupiscência", "imundice", "paixão infame", "torpeza", "sentimento perverso", "iniquidade".
Sobre a exibição da Bíblia aberta como defesa da união da união civil entre homossexuais, só tenho a protestar:
"Antes fosse queimada numa praça do que servir á infâmia e á desgraça".

11.5.11

Deus, o relojoeiro e a Igreja.

O que você vê ao abrir um relógio que funciona com mecanismo de corda? Vê certas engrenagens que giram em sentido anti-horário que estão atreladas a outras que trabalham no sentido horário. A sua primeira impressão pode ser de que o mestre relojoeiro ficou louco e confuso. Pelo contrário, ele arrumou de tal forma o mecanismo desse relógio e colocou a mola mestra para controlar todas as suas engrenagens, que quando recebe corda, embora uma engrenagem gire no sentido horário e outra no sentido anti-horário, todas trabalham juntas para mover os ponteiros em torno do mostrador precisamente na velocidade certa. Muitas engrenagens parecem trabalhar umas contra as outras, mas todas trabalham juntas com o mesmo propósito de mostrar a hora exata. É exatamente assim que Deus trabalha, como o Mestre relojoeiro, ele arrumou o mecanismo de sua Igreja de tal forma que para muitos parece que está tudo descontrolado. Umas são conservadoras, já outras liberais, e tem as ultras radicais dos dois sentidos; e para quem não conhece o manual do fabricante, a Biblia, parece mesmo que "tá tudo errado". "Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados segundo o seu propósito" Rm 8.28 Como o mestre relojoeiro , ajustou a engrenagem do relógio para mostrar a hora certa; assim Deus tem ajustado a sua Igreja de hoje com a finalidade de mostrar a este mundo que já é quase meia-noite. Acorda Irmão !!!

31.3.11

A ação social cristã e a tecnologia.


O presente depende do passado e o futuro depende do presente. 
O século XXI tem como característica a presa; o que no passado durou milhares de anos para acontecer, no presente tem acontecido em poucos anos e no futuro ainda se nos afigura correndo mais rápido.
A Ação Social Cristã do futuro deve ser feita hoje, e já devia ter acontecido ontem.
O cristianismo tem perdido muito tempo, parecendo adormecido diante dos desafios e oportunidades do mundo moderno. O homem é basicamente um ser social, mas tem sido transformado em máquina fria, cética, manipuladora. Em contrapartida, vemos surgir uma onda de misticismo, de espiritualidade, como prova de necessidade sentida de mais amor, fé e esperança.
 A base de toda ação cristã deve ser o amor. 
Em todos os tempos, lugares e situações o amor deve estar presente como característica do cristão (Jo13. 35). O mundo sempre precisou, precisa e precisará do amor que se demonstra em ações práticas e profundas ( Rm12.9-18).
A igreja cristã deve estar atenta ás oportunidades de mostrar o seu amor em ações práticas através de um contato pessoal com os carentes, não só de bens materiais, mas de companhia, de um objetivo de vida, carentes de atenção, de oportunidades de ser alguém importante ( Mt 18.2).
No século XXI o mundo continua dividido entre fracos e fortes, ricos e pobres, cristãos e não-cristãos, doentes e sadios..... É necessário  uma volta ao cristianismo primitivo, onde pequenas comunidades repartiam, conheciam as necessidades uns dos outros, se sensibilizavam, demonstravam a compaixão cristã e se uniam para servir ( Atos 2.44-47).
Nos dias atuais devemos levar em conta não apenas o uso da tecnologia e sua funcionalidade, mas usá-la em função dos interesses sociais. Pois ela não pode ser apenas aquilo que provoca o crescimento econômico, levando a riqueza a um pequeno grupo, mas que o seu uso maximize levando em conta os benefícios de toda a população.
Assim, usando as mesmas idéias, oremos para que o futuro da ação social cristã esteja em usar as modernas tecnologias para proporcionar o amor de Cristo ao mundo perdido com a máxima rapidez, sem descuidar do contato pessoal que valoriza o individuo, dando-lhe dignidade, responsabilidade e liberdade.

8.2.11

O Clamor por Democracia e o Calendário Profético.



Temos experimentado a democracia como o sistema político que melhor funciona no momento. Ele nos provê certas liberdades desconhecidas até então na História. A essa altura, não há outro sistema viável comparado á democracia.
A democracia está nos lábios de todos, especialmente desde a sensacional e inesperada queda da Cortina de Ferro.  Não passa um dia sequer sem que algum relato nos telejornais fale algo acerca do progresso da democracia. Alguns têm chamado de a liberdade última e outros de a libertação da humanidade. Ainda outros dizem que a democracia é o direito dado por Deus para todos os homens sobre a Terra.
Após a queda do muro de Berlim, o símbolo que separava o Ocidente do Oriente, o Comunismo do capitalismo e à medida que vemos a democracia se movendo rumo ao Oriente, considera-se que ela (democracia) é a resposta absoluta a todos os problemas do mundo.
Alguns anos atrás, o comunismo era, quem sabe, o sistema mais poderoso do mundo.
Hoje não é mais uma ameaça real ao capitalismo, mas sim, a democracia está no palco, na frente e bem no centro. É o novo e único poder neste inicio de século. Estamos nos aproximando da época em que ninguém, absolutamente ninguém, será capaz de se opor á democracia.
Embora nos regozijemos com o fato de que nossos irmãos e irmãos da Europa Oriental podem agora ter comunhão com maior liberdade, e estejamos contentes pela liberdade que eles têm agora de viajar para o Ocidente, não podemos permitir que esta alegria nos cegue para o novo perigo que se aproxima. O perigo que agora parece ser tão positivo é um mundo unido sob a bandeira da democracia.

O fato de que estamos hoje experimentando um clamor mundial em regiões onde nem sonharíamos em ver tamanhas manifestações populares em favor da democracia, nos faz pensar no que a bíblia nos diz a respeito.

Mas quem, em sã consciência, poderia se opor a tal progresso?
Qual é o problema da fraternidade universal, da unidade global, da paz e da prosperidade? Superficialmente nada, mas aqueles que diligentemente estudarem as Escrituras saberão exatamente para onde esse desenvolvimento nos conduzirá.
Desde o princípio, os homens têm esperado pela pessoa certa, com o sistema certo, que haverá de conduzir a uma paz e harmonia universais. Mas, os homens têm desejado que isso aconteça em seus próprios termos. Será que a paz e a prosperidade são realidades possíveis em nossos dias? Sim, não apenas a paz é possível, mas essa paz poderia vir porque ela foi profetizada pelas Sagradas Escrituras. Sim, haverá paz num nível ainda não conhecido e ela inundará o mundo de tal forma que toda oposição será eliminada. No auge do sucesso, entretanto, ela assumirá uma identidade diferente. A máscara cairá e a sua verdadeira natureza será revelada. Ela não apenas se moverá globalmente, mas também se moverá universalmente, em querer tornar-se como Deus. 

À medida que a investigamos pela perspectiva bíblica, descobrimos que a democracia, não importa quão boa seja, acabará por dar posse ao Anticristo.
“Quem é semelhante à besta? Quem poderá pelejar contra ela?” Apoc. 13.4



28.1.11

Tudo é uma questão de confiança.


“Você compraria um carro usado deste homem"?
 Nos Estados Unidos é muito comum esta pergunta, referindo a confiabilidade de uma pessoa conhecida ou mesmo de alguém que nunca vimos antes.
A confiança em alguém às vezes é pura intuição; nem sempre temos dados concretos ou conhecimentos suficientes sobre a história de alguém com quem estamos prestes a fechar um negócio, mas levamos em conta o que ele nos transmite no contato pessoal.
“A mentira tem perna curta” é um ditado popular no Brasil.
Uma pessoa desonesta via se revelar nos pequenos detalhes, se soubermos perceber. 
O óbvio só é óbvio para o olho preparado. E mais, se alguém, se mostra desonesta uma vez, trai a confiança do outro e dificilmente haverá uma segunda vez com a mesma pessoa.
A eficácia da mentira tem prazo curto, enquanto que as melhores relações e os melhores negócios são os que se cultivam a longo prazo. Este princípio é básico na comunicação interpessoal e também na comunicação entre empresas, entre empresa e consumidores, entre governo e a população e até entre igreja e comunidade.
O poder com base na mentira é ilusório.
O grande Rei Davi disse a mais de 3mil anos atrás, com grande sabedoria: ”Uns confiam em carros, outros na força dos cavalos, mas eu deposito minha confiança somente em Deus”. 
Poderíamos traduzir este texto, para como vive a nossa sociedade hoje: “Uns confiam na tecnologia, outros em seus conhecimentos e se esquecem de Deus”.
Depositar confiança em determinada pessoa ou até mesmo em nossos conhecimentos e intuição, tem sido a causa de muita dor de cabeça em nosso dia-dia. 
A confiabilidade tem se tornado em amarga decepção, tanto no âmbito familiar, como no local de trabalho, com relação ao governo e até nas relações eclesiásticas.
Mas o Rei Davi nos prescreve a receita de sua vida  vitoriosa quando nos diz:” que desde a minha juventude tenho depositado toda a minha confiança em Deus e tenho certeza que na minha velhice Ele não me decepcionará”.
Ah se muitos pais, governantes e lideres religiosos soubessem transmitir esta grande verdade e se muitos  tivessem a coragem de assumir este compromisso, não teríamos que muitas vezes chorar lagrimas amargas de grandes fatos negativos que todos os dias tomamos conhecimento em nosso de redor.
Tudo é uma questão de confiar.

5.1.11

Fim 2010 entra 2011 e a sacanagem continua.

Para se fazer qualquer comentário sobre as últimas imoralidades de nossos políticos, creio que devemos fazer uma análise sobre a figura de quem faz a política: o político. O que temos visto, ouvido e lido sobre o político em geral, salvo raríssimas exceções, é que se trata de um individuo que está acima de tudo, comprometido consigo mesmo. Faz tudo em função dos seus interesses pessoais. 

Para ele, a política, é um meio de se obter riquezas ilícitas, influência e poder. Quando em campanha eleitoral, promete de tudo a todos para vencer as eleições. É amigo de todos, irmão de todos, solidário de todos; não perde sequer os velórios. Dá presentes, promete empregos e critica seus concorrentes tentando mostrar lealdade e firmeza de ideais que na verdade não existem. Quando eleito e empossado, passa a lotear todos os cargos públicos entre seus parentes, cabos eleitorais e protegidos com o intuito de empregar ás custas do dinheiro público a sua máquina eleitoral. Pratíca a famigerada “caixinha” com o intuito de levantar recursos para si mesmo e para as próximas eleições. Tudo que faz visa apenas conquistar novos adeptos, semelhantes a ele mesmo, para aumentar seu poder e influência. As reivindicações justas da comunidade ou de indivíduos, quando atendidas, visam envolver e comprometer os beneficiados, os quais, mais cedo ou mais tarde, terão de retribuir ao político o que receberam do bem público. Quando o dito político pertence a um partido que está se desgastando diante da opinião pública, muda de partido, até que esta nova situação também se torne impopular. 

Como individuo, não assume suas responsabilidades, muitas vezes nem a de comparecer às reuniões oficiais e às sessões dos legislativos. Cria privilégios para si mesmo: salários, aposentadorias e mordomias de valores astronômicos. O político está sempre preocupado com as próximas eleições, pois vencê-las garante-lhe uma parte do poder que, obviamente, assegura-lhe seus privilégios e interesses. Os partidos políticos no Brasil são, via de regra, agrupamento de pessoas que possuem vínculo entre si, mais por causa de seus interesses pessoais comuns do que por razões ideológicas.Os programas políticos dos partidos são freqüentemente encomendados a juristas. Esses produzem belas peças de literatura jurídica que nada tem a ver com a prática dos políticos, os quais, normalmente, nem sequer tomam conhecimento desses programas. Trata-se de uma mera farsa entre si apenas em função dos interesses de seus “caciques”. A própria inconsistência dos partidos lhes garante uma vida curta, pois é com grande rapidez que caem no descrédito e frustram o eleitorado. 

A classe política como um todo tem um comportamento contrário ao progresso, na medida em que ela, ocupando todo o aparato estatal, sacrifica os interesses nacionais em seu próprio beneficio. No Brasil, essa classe controla a maior parte da economia, sendo o Estado proprietário de patrimônios fabulosos. O Estado detém os monopólios do petróleo, das grandes siderúrgicas, é dono dos sistemas de portos e de uma infinidade de indústrias. O Estado também se encarrega de legislar e normatizar todas as regras econômicas. Lembrando que a classe política controla o Estado, aí podemos ver como a corrupção se instala em seu meio com tanta facilidade. Em termos gerais, os políticos, na atualidade, são extremamente perniciosos á nação e tornam-se piores á medida que expandem a penetração do Estado na economia. Afinal, cada negócio, monopólio e setor onde o Estado interfere significa mais poder e mais influência dos políticos e seus associados potencializando meios de corrupção. Quando os brasileiros são iludidos e se deixam enganar pelas promessas de políticos, estão na verdade contribuindo para que a nação continue vivendo de falsas esperanças. Estão dando combustível a crise política, que continua se alastrando e arrasando a sociedade.

Precisamos dar um basta a esta situação. É necessário limitar a ação e presença do Estado ás áreas que lhe diz respeito, reduzindo-o apenas ás dimensões necessárias, limitando a ação dos políticos e assumindo o controle e direção da sociedade.É preciso que se copie as politicas dos paises berço da Reforma religiosa como Alemanha,Inglaterra, Suécia onde o estado perdeu campo para a iniciativa privada, dando reais valorização a politicas de ensino e empreendedorismo, que foi a base do ensino religioso/economico da Reforma.Quando o catolicismo caiu e a Reforma ascendeu, o véu da ignorancia e do ostracismo veio abaixo. E hoje estes paises estão no rol dos paises do primeiro mundo enquanto os paises mais católicos, como México, Filipinas, Brasil, Espanha e Portugal amargam como paises subdesenvolvidos.